Meningioma tentoral de fossa posterior

Meningiomas tentoriais satisfazem de 2% a 3% de todos os meningiomas intracraniais. Os autores apresentam a experiência deles com meningiomas tentoriais de fossa posterior, e discutem as principais características, as quais influenciam abordagens e complicações das técnicas cirúrgicas diferentes. 24 pacientes tiveram meningiomas localizados predominantemente na fossa posterior. O histórico e exames radiológicos deles foram revisadas de acordo com a classificação de Simpson. A extensão da remoção tumoral foi grau I de Simpson em 12  pacientes(50%), grau II em 12 pacientes(50%), e graus III e IV em nenhum dos pacientes. Em 22 pacientes(91,66%),  o meningioma foi classificado como grau I e em 2 casos(8,33%) classificado como grau II(meningioma atípico). O combinado supra/infratentorial foi empregado em 12 casos, e ressecções completas foram mais comuns com essa abordagem comparada com técnica retrossigmoidea. Complicações pós-operatórias ocorreram em 10 pacientes(41,6%), com maiores déficits em 3 pacientes(12,5%). Os autores acreditam que a cuidadosa escolha pré-operatória da abordagem cirúrgica deve ser baseada na localização e extensão tumoral. É então possível alcançar a melhor ressecção tumoral microcirúrgica radical, evitando lesão adicional a estruturas neurovasculares.